Criadores de GRIMM explicam como surgiu a série!

Antes mesmo de encantarem pessoas de todas as partes do mundo, ou virarem histórias bonitinhas e grandes clássicos dos cinemas, os contos de fadas foram criados para amedrontar crianças e adultos.

Se não fosse pelos irmãos Grimm, esses contos não teriam finais felizes, nem mesmo uma bela princesa que vive feliz para sempre com seu amado príncipe. E é graças às criações desses dois alemães que a série Grimm também ganhou forma.

O lado obscuro das histórias criadas por eles veio à tona na série, que mistura fantasia, crimes e investigações policiais. Mas ninguém melhor do que os criadores de Grimm, David Greenwalt e Jim Kouf, para explicar como as fábulas conseguem trazer tanta realidade a cada episódio.

Um dos destaques da série com certeza é Silas Weir Mitchell, que interpreta Monroe. Como vocês descobriram o ator? Como é trabalhar com alguém tão dinâmico, que atrai as atenções de todos com sua atuação?

JK: Nós já trabalhamos com ele antes e sabíamos que o personagem seria perfeito para o ator. Quando criamos o Monroe, Mitchell foi o primeiro a ler o roteiro e a se identificar com o papel. Ele foi perfeito desde o primeiro dia, não tínhamos como pensar em outra pessoa.

Existe algum conto dos irmãos Grimm que vocês ainda não usaram, mas estão loucos para mostrar na série?

DG: Sim! Nós temos a história da Cinderella em vista, que promete ser muito boa.

JK: Mas nós não nos limitamos às histórias dos irmãos Grimm. Na verdade, nós consideramos todos aqueles que escrevem contos de fadas que podem ser aproveitados na série. Qualquer um que escreva uma fábula – no Japão, China ou África – tem a mesma habilidade. Nós desenvolvemos os episódios em cima de contos de todos os lugares.

Vocês também tratam de questões sociais nos episódios da série?

JK: Sim. Em nossas histórias, as criaturas sempre querem ficar sozinhas e deixadas de lado para não terem que se envolver em uma verdadeira batalha com os humanos. No mundo real, em que vivemos hoje, as coisas também acontecem dessa forma, com as diferenças entre raças e razões sociais. Tentamos traduzir os acontecimentos reais para o universo de Grimm.

Deixe seu comentário: